Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Email

Trabalhador que exerce suas funções de moto tem direito ao adicional de periculosidade

Um montador de móvel teve reconhecido o direito a adicional de periculosidade em decisão da 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (TRT-PE) em grau de recurso ordinário. A empresa empregadora pedia a exclusão do valor adicional, concedido em sentença da 21ª Vara do Trabalho do Recife, alegando que o trabalhador nunca havia trabalhado em atividades perigosas.

No entanto, o funcionário argumentou que ia ao trabalho e se deslocava para os locais das montagens dos móveis de moto. Ele conseguiu comprovar ainda ser esta uma exigência da empresa, pois para ser contratado na função era é obrigatório ter motocicleta própria, tanto que recebia uma ajuda de custo para manutenção do veículo.

Então, pelo fato de o funcionário ter comprovado fazer o atendimento aos clientes da empresa de moto, a unanimidade dos magistrados entendeu ser essa uma situação que se enquadraria na norma, tendo, portanto, direito ao adicional de periculosidade.

Compartilhe agora:

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Email

Pesquise aqui

Notícias Relacionadas

últimas Postagens

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência no nosso site.

Abrir chat
Precisando de ajuda?
Atendimento Soeli Ingracio Advocacia
Olá!
Como posso ajudá-lo?